O aplicativo “Caça Obras” foi lançado há pouco tempo, mas já vem trazendo um resultado satisfatório para quem o utiliza. A ferramenta auxilia a Pormade na prospecção de novos clientes. 

Quem utiliza a ferramenta como forma de trabalho, procura obras em cidades como São Paulo, Campinas, São José do Rio Preto, Ponta Grossa e Curitiba e, depois, publica no aplicativo fotos e informações sobre cada obra encontrada. 

O aplicativo traz a possibilidade de a equipe da Pormade analisar as fotos e outras informações dessas obras. 

Quem fotografa as obras precisa realizar um cadastro no aplicativo colocando informações como telefone, e-mail, endereço, etc. Após o cadastro, o usuário já pode fotografar obras pela região em questão e publicar no aplicativo.

O usuário cadastrado deve colocar junto com a foto informações como endereço da obra, telefone, e-mail, nome do contato da obra (pessoa que repassa as primeiras informações), responsável pela obra (arquiteto, engenheiro, construtor ou proprietário), tipo de obra (casa, comercial, empresa, prédio ou reforma) e fase da obra (projeto, fundação, estrutura e acabamento).

A equipe da Pormade analisa o conteúdo enviado pelos caçadores e, se houver informações úteis e concretas, o participante recebe o valor de R$10,00 por obra aprovada. “Fiz várias fotos. Trabalhar com o Caça Obras foi muito bom. Tive um retorno positivo. Não existe nenhuma dificuldade em utilizar o aplicativo. Ele é bem simples e rápido”, explica o participante Juliano da Silva.

Após a análise da foto e de todas as informações colocadas no aplicativo, a equipe que trabalha com a ferramenta direciona a obra ao setor responsável (varejo, engenharia, setor que atende arquitetos, instaladores, etc).

Atualmente, o aplicativo conta com 23 caçadores, sendo que 11 deles são mais ativos e enviam fotos diariamente para a ferramenta.

O “Caça Obras” já promove uma renda extra aos participantes. No mês de dezembro, uma novidade: o caçador que mais enviou fotos para o aplicativo foi premiado. Edson Dubiela, de Curitiba, levou o prêmio. Ele já trabalhava em campo e resolveu aderir ao projeto. Com a ideia da premiação, Edson conquistou um bônus de aproximadamente R$300,00.    

“O bônus do mês de dezembro foi uma motivação. Nessa época, fiquei caçando obras. Me dediquei somente ao aplicativo. Percorri rua por rua e fiz várias estratégias, passando por vários bairros de Curitiba. Enviei as fotos e várias foram aprovadas”, explica.