Em meio às particularidades que a Pormade oferece ao seu colaborador, existe a “Cantina da Honestidade”. O projeto foi implantado há alguns anos e, hoje, a empresa comporta três cantinas. Em cada uma, são vendidos salgados, biscoitos, sucos naturais, chocolates e outras guloseimas.

A cantina funciona da seguinte forma: o funcionário escolhe um produto e coloca o valor dentro de uma “caixinha”. Lá, ele mesmo faz o seu troco, caso haja necessidade.

“Na época, uma vizinha minha viajou para a Nova Zelândia. Ela notou que na beira das estradas as pessoas vendiam produtos e deixavam uma caixinha para colocar o dinheiro. Elas se serviam e faziam o próprio troco”, explica a Diretora de Marketing e Finanças, Beatriz Bollbuck.

A ideia da cantina foi levada ao diretor-presidente da Pormade, Claudio Zini. Ele gostou do projeto e decidiu implantá-lo.

A primeira “Cantina da Honestidade” foi montada no escritório da empresa. Depois, vieram mais duas. O investimento inicial de uma das cantinas foi de R$100,00. Em poucos meses, as compras tiveram um aumento significativo. Com o lucro alcançado, foi possível comprar um micro-ondas, uma geladeira e um transformador para uso diário.

As cantinas já se tornaram especiais entre os colaboradores da Pormade. É comum que na hora do café uma fila se forme para a compra dos produtos. “Às vezes, você sai atrasado de casa e não tem tempo para comprar um lanche. E a cantina tem esse benefício de ser aqui pertinho. Até mesmo durante o dia, quando bate a fome, a gente compra alguma coisa. Esse é um diferencial da Pormade!”, diz a colaboradora Eveliz Mari Honoriler.

O movimento da cantina é maior durante os intervalos de cada setor. A colaboradora Rosalina Pereira da Silva Gregório foi uma das pessoas que ajudaram na implantação de uma das cantinas. Em 2013, ela recebeu a proposta de seguir com o projeto, aceitando o desafio. “Eu me sinto orgulhosa! Jamais imaginava que a cantina daria esse retorno. Aquele valor inicial se transformou em tudo o que temos hoje”, explica.