A educação é um dos principais pilares da Pormade. Na década de 1990, a empresa resolveu investir pesado no estudo de seus colaboradores e familiares. Afinal, para a empresa educação e qualificação são indispensáveis. Um profissional capacitado para a função que exerce cresce junto com a empresa em meio às mudanças exigidas pelo mercado. Essa é a visão da Pormade, que possui uma cultura participativa onde o colaborador pode (e deve) expor problemas e sugerir ideias e melhorias sobre a forma de trabalhar.    

No início da década de 1990, a Pormade passou por uma grande mudança em seu sistema de gestão. Após uma viagem ao Japão, o presidente da empresa, Cláudio Zini, voltou cheio de ideias de como melhorar os resultados de uma empresa por meio da valorização do capital humano. Foi quando a Pormade passou a investir fortemente na educação e qualificação profissional de seus colaboradores. 

A empresa decidiu incentivar os seus colaboradores a voltarem a estudar, pois a educação e a qualificação dos profissionais seria fundamental para o crescimento da organização.

O Programa Escolar da Pormade teve início em 29 de março de 1994 com a implantação do ensino fundamental. Depois, se estendeu para o ensino médio. Até 1999, o projeto era aberto apenas aos funcionários. Em 2001, os familiares tiveram a oportunidade de se inscrever e participar das aulas. Um ano depois, o Projeto Escolar ganhou notoriedade, abrindo vagas à comunidade.

Quem não havia concluído o ensino médio, por exemplo, teve a oportunidade de voltar às salas de aulas para o desenvolvimento do currículo escolar. O projeto tem a parceria do CEEBJA (Centro de Educação Básica para Jovens e Adultos) desde 1995 e tem grande importância para o desenvolvimento do programa. A Pormade foi conquistando os seus alunos que, com o tempo, foram disseminando a ideia das aulas aos colegas de trabalho e familiares. Com isso, a empresa teve um salto no número de participações dentro do projeto e o conteúdo ofertado foi se adaptando ao seu público.

Crescimento: Pormade cria Universidade, atrai mais alunos e combate a evasão escolar

Mais tarde (2010), com a adesão dos cursos, a empresa criou a sua universidade corporativa: a Unicop (Universidade Corporativa Pormade). Hoje, a Unicop oferece diversos cursos, além do ensino regular. A universidade passa por melhorias constantes e adequações conforme os cursos e projetos vão surgindo e acontecendo. A Unicop desenvolve as competências técnicas e comportamentais dos colaboradores. Os profissionais se capacitam, treinam suas habilidades, desenvolvem a comunicação com mais facilidade e, depois, isso reflete em um melhor desenvolvimento de suas atividades.

É dentro da Unicop que acontecem programas de incentivo à leitura, escrita e pensamento crítico. Os colaboradores participam de uma ação que consiste em assistir um conteúdo de cunho motivacional e, depois, escrever sobre o tema de acordo com a sua compreensão. As vídeo-aulas do professor e antropólogo Luiz Marins são uma das opções de vídeo. O colaborador empresta um DVD, assiste o conteúdo e coloca as suas ideias no papel. Como incentivo, a Pormade paga determinado valor ao colaborador dentro do vale alimentação.

Dessa forma, o funcionário compreende temas vivenciados no ambiente corporativo e na vida familiar e, ainda, treina a leitura e a escrita. 

A Unicop está alinhada com as expectativas da empresa. E esse é um ponto importante. A universidade oferta cursos que atingem diversos níveis e que se adequam a cada colaborador. A Pormade conseguiu que vários colaboradores voltassem para a sala de aula. Muitos tinham o ensino fundamental incompleto e, com a oportunidade dada pela empresa, conquistaram o tão sonhado diploma. Com isso, a Pormade diminuiu de alguma forma a evasão escolar presente na região.

Tecnologia e novas oportunidades no mercado: Pormade cria o projeto Inclusão Digital

Com o avanço da tecnologia, a Pormade decidiu capacitar a sua equipe para as novas ferramentas que o mercado oferecia e começava a exigir. Para isso, a empresa montou um laboratório de informática com oito computadores – isso em 1998. As duas turmas iniciais tinham, juntas, 32 alunos. Os professores eram os profissionais do Departamento de Tecnologia da empresa.

O início bem sucedido deu carta branca para novas vagas. Durante o dia, enquanto os colaboradores desenvolviam suas atividades na empresa, os familiares participam das aulas de informática. Assim, havia uma proximidade do familiar com a empresa, além de um preparo para o mercado de trabalho.

Com maior notoriedade, a procura pelo curso aumentou. Então, a ideia: fazer uma parceria com o Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv) – na época FACE. Os laboratórios mais amplos deram a oportunidade de as turmas reunirem mais alunos.

O “Inclusão Digital” recebe o selo Sesi ODS há três anos. Esse certificado garante que o projeto da Pormade está alinhado com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Saúde e bem estar, educação de qualidade e redução das desigualdades são alguns desses objetivos.

“É surpreendente que um pequeno projeto tenha se tornado tão grandioso. O sentimento é o de poder fazer a diferença no dia a dia dos alunos, seja no trabalho, na escola e na vida. É um aprendizado contínuo”, explica o coordenador do projeto, Sérgionei Reichardt.

Estudo gera o crescimento dos colaboradores

Da profissionalização que os cursos da Pormade oferece, surgem inúmeros talentos. É comum encontrar colaboradores que, após anos sem estudar, regressaram para a sala de aula em busca de mais capacitação. O projeto escolar muda a vida deles e proporciona novas experiências.

Eu tinha o 1º incompleto e muita vergonha de voltar a frequentar as aulas já casada e com mais de 30 anos. Meus pais também não tinham estudo,  mas eu tinha a vontade de evoluir e fazia o que podia para não falar errado. Aproveitei a oportunidade oferecida pela empresa e tive duas grandes emoções: consegui acabar o ginásio junto com minha filha e conclui o segundo grau junto com meu filho. Ter um diploma mudou a minha vida”, conta a colaboradora Rosalina Gregório.

O colaborador Romeu Moreira de Almeida, chamado carinhosamente por Mercedinho, tem uma trajetória marcante na Pormade.

Quando o projeto escolar foi implantado, ele tinha seus 30 e poucos anos. No início, ficou em dúvida se voltava às salas de aula. Depois de pensar, fez a escolha que, anos depois, seria uma das mais definitivas em sua vida. Ele cursou o ensino fundamental que a Pormade havia ofertado. “Não tem como medir o valor e as conquistas da minha vida pessoal e profissional. Como seria a minha vida se não tivesse aceitado aquele convite? Eu não teria minha qualificação e não estaria onde estou”, conta.

Hoje, Mercedinho é o coordenador dos Grupos de Melhorias da Pormade e atua na Unicop incentivando outros colegas na adesão dos cursos. Ele é a prova de que a idade não tem importância quando o tema é o estudo. “A educação é o único caminho para ser feliz e realizado”, conclui o colaborador.